Descobrindo e valorizando memórias

Turmas dos 7°s anos visitam o Museu da Imigração


No projeto de série dos 7°s anos, os alunos reconhecem o valor das memórias e dos patrimônios. Dando sequência às atividades do projeto, na manhã do dia 14 de maio, terça-feira, eles visitaram o Museu da Imigração, localizado no bairro da Mooca.

A saída pedagógica foi organizada pelos professores de Geografia e História, Lígia Paganini e Victor de la Jousselandiere, respectivamente. Em sala de aula, os educadores apresentaram alguns produtos audiovisuais para dar uma introdução ao tema. O podcast “A saga de um refugiado africano no Brasil”, do ator congolês Blaise Musipere, foi compartilhado durante uma aula e gerou um debate, desromantizando a imagem de uma chegada tranquila para os imigrantes em seu novo país.  

No Museu, as turmas foram divididas em dois grupos para que todos pudessem conhecer o espaço com mais tranquilidade e autonomia. Elas seguiram dois roteiros, um para a parte interna e outro para a externa, com algumas perguntas para nortear a pesquisa.

Na parte interna, os estudantes colheram informações e depoimentos de imigrantes que passaram pela hospedaria, logo que chegaram ao Brasil. Também viram móveis antigos e como os beliches eram colocados. No lado de fora, o objetivo era traçar uma ponte com fotos antigas dos cenários, comparando como eles estão hoje. “Não era só para eles perceberem que é o mesmo lugar, mas para observarem que há uma conservação e que os patrimônios preservados nos fornecem uma conexão com o passado”, disse a professora de Geografia.

“O que mais me chamou a atenção foi o jardim que é bem grande e era utilizado pelos imigrantes para ter um pouco de lazer”, compartilhou o estudante Carlos Amaro, 7°B. O seu colega de classe, Davi Torres, nos contou o que adorou na saída pedagógica: “Você também pode consultar se alguém da sua família já passou lá”.

Após essa visita, os alunos construirão uma narrativa da vida de um imigrante daquela época. Eles têm três formas estruturais para realizar essa atividade: diário, troca de cartas ou depoimento, igual ao podcast que ouviram. “A ideia de ir ao Museu era instrumentalizar os alunos para esse projeto final”, completa Lígia.

“Eu gostei da visita ao Museu da Imigração porque acho que é importante termos uma noção de onde viemos e de como eles vieram para cá, entender um pouco mais o nosso passado”, falou a jovem Beatriz Hurtado, 7°C.

A aluna Isabel Bicudo, 7°C, observou a diferença entre as maneiras de locomoção naquela época. “Deu para vermos como era antigamente e pensar que todo mundo vinha em trens, depois de uma longa viagem de barco. Hoje em dia, pegamos um avião e chegamos tão rápido!”, e completou: “Eles migravam porque não tinham oportunidades em seus países de origem e buscavam crescimento e paz”.

“A maior riqueza do projeto dos 7°s anos é mostrarmos para os alunos que as coisas do mundo têm relevância para humanidade e também um valor pessoal”, finaliza a professora.