6°s anos conhecem o Centro de Memória da Lourenço

Turmas visitam a Unidade do Ensino Médio e realizam várias atividades.


Na quinta-feira, 21 de março, os alunos dos sextos anos tiveram um dia diferente. Além de conhecer a Unidade do Ensino Médio, eles visitaram o Centro de Memória da Escola e aprenderam um pouco sobre a sua história.

No primeiro trimestre do ano, as turmas estudam sobre o trabalho de um historiador e como o curso de História pode ser aplicado individualmente. Na sala de aula, os alunos buscaram fontes históricas sobre a sua família e começaram a pesquisar sobre a sua própria narração.

Ao chegar à Unidade do Ensino Médio, as classes foram separadas e utilizaram-se vários espaços. Por exemplo, o auditório foi usado para o curso de Teatro e o Laboratório de Física para aula de Ciências.

No Centro de Memória, o colaborador, José Roberto Júnior, mostrou onde os documentos são guardados e quais são os procedimentos realizados para a preservação. Em seguida, os estudantes manusearam os arquivos e assistiram a depoimentos de pessoas que participaram da história da Lourenço Castanho.

No encerramento da atividade, o Coordenador Eduardo Chammas mostrou o mural, localizado na quadra, que conta a história da Escola em grafite. Ele também levou os alunos para o pátio onde as paredes são ilustradas com fotos.

A aluna Maitê Manhas, do 6°C, reconheceu o seu pai em uma das fotos. “Fiquei muito feliz de ter visto o meu pai, porque ele estudava aqui quando era menor. Eu estou seguindo uma tradição na minha família, pois todos estudaram aqui e me identifico muito”.

“Achei um projeto muito legal e diferente – conhecer a história da nossa Escola. Visualizamos os documentos de antigamente, as pessoas que estudaram e suas experiências”, compartilha a estudante Giulia Petroni, do 6°A.

Ao voltar para a sala de aula, a professora de História, Gislene Edwiges de Lacerda, contou que serão discutidos os vestígios que encontraram e como a visão desse componente pode ser ampliado. “Essa atividade auxilia os alunos a identificarem o que é história e sua importância como papel social. Partindo desse ponto, eles entendem as nossas origens e se colocam como sujeito histórico. Também conseguiram visualizar e trabalhar como um historiador”, finaliza Gislene, explicando sobre a importância dessa atividade.