HOME  |  CONTATO  |  LC Online  |  NOTÍCIAS Social Moodle Social Facebook Social Twitter Social Linkedin Social Issuu Social Youtube

 



Diretor Geral apresenta proposta de valor da Lourenço Castanho

28/08/2017

Nos dias 11 e 12 de agosto, aconteceu, no Chile, o Congresso Internacional de Diretores – 2017, realizado pela UNOi Educação. O evento reuniu mais de 400 donos e diretores de escola que adotam o sistema UNOi da editora Santillana. Cada edição propõe o debate sobre um tema e, neste ano, o assunto foi “Proposta de Valor”, que se baseia em como as escolas devem se modernizar e atender as novas demandas que surgem na educação, conservando os seus valores. O diretor geral da Lourenço Castanho, Alexandre Abbatepaulo, foi convidado para apresentar os valores que a Escola carrega, mesmo se adaptando a modernizações necessárias.

A apresentação focou na trajetória da Lourenço Castanho desde a sua fundação em 1964. A construção da unidade do Ensino Médio, em 1994, teve especial relevância, pois marcou uma nova demanda: os resultados nos exames vestibulares. Além disso, as sócias fundadoras da Escola (Jeannette De Vivo, Marilia Noronha, Maria de Lourdes Aidar e Sylvia Gouvêa) passaram a Direção Geral da Escola, em 2006, para Alexandre Abbatepaulo. “Ao saírem, elas deixaram dois legados: os sete princípios fundadores da Lourenço (Integração social; Atenção à realidade histórica; Formação integral; Autonomia responsável; Formação do pensamento crítico; Preparação para a formação contínua e Desafio à diversidade) e o “Projeto Formação & Eficácia”, que consistia em focar mais intensamente no desempenho pedagógico dos alunos, sem desviar-se dos valores fundantes da Escola. A partir disso, as mudanças foram pensadas e implementadas de forma a garantir a preservação dos valores da instituição”, explica Abbatepaulo.

As práticas pedagógicas mantidas e as novas propostas implementadas foram abordadas na apresentação. “Se, antes, a Escola tinha um peso muito grande no lado formativo, foi preciso promover ações que aumentassem o rigor dos cursos, de tal maneira que os dois objetivos se equilibrassem”. O interessante é que o equilíbrio entre rigor acadêmico e formação educacional está totalmente alinhado com as transformações que vêm acontecendo atualmente nos principais vestibulares. FGV, INSPER e Albert Einstein, por exemplo, introduziram entrevistas e dinâmicas de grupo em seus processos seletivos que procuram conhecer quem é o aluno que está sendo selecionado. “É necessário ter uma ótima preparação acadêmica, mas também ter o seu lado humano muito desenvolvido”, destacou Alexandre.

Abbatepaulo foi acompanhado por Sylvia Gouvêa, sócia fundadora da Escola, que participou das atividades do Congresso e fez parte da equipe vencedora do desafio “Qual a proposta de valor para uma escola do século XXIII?”.

 


 

 

 

Facebook Twitter Linkedin Issuu Youtube