HOME  |  CONTATO  |  LC Online  |  NOTÍCIAS Social Moodle Social Facebook Social Twitter Social Linkedin Social Issuu Social Youtube

 



Indicações Literárias

19/05/2017

Indicações literárias da Educação Infantil ao Ensino Médio:

  • Indicações INFANTIL 1, 2 e 3

- Vere, Ed. Max, o corajoso. São Paulo: Cia. das Letrinhas, 2014.

Max é um gatinho que não gosta de lacinhos no pescoço e quer provar que é muito corajoso. Por isso decide caçar um rato, mas há um problema: ele não sabe como é este bicho. O que acontecerá?

- Bright, Rachel. Monstro amor. Barueri, SP: Girassol, 2012.

Viver na Cidade dos Lindos não é muito legal para o monstro Amor. Por isso, ele parte em busca de alguém que goste dele do jeito que ele é! Todo mundo adora coisas lindas e fofas. Você sabe, coisas como gatinhos, coelhinhos ou filhotinhos. Mas ninguém ama um monstro peludo, com olhos um tanto quanto esbugalhados. Ou será que ama?

- Konnecke, Ole. Anton e as meninas. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

Anton chega ao tanque de areia querendo impressionar as meninas. Só que elas nem dão bola, porque não gostam de gente exibida. Mas, quando Anton mostra sua fragilidade, elas o tratam com carinho.

  • INFANTIL 4 E 5

- Hutchins, Pat. Boa noite, coruja! São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

O conto acumulativo, em que novos personagens e episódios vão entrando na história, que se repete para cada um deles, é uma das formas narrativas mais apreciadas pelas crianças. Assim é contada a história deste livro: a Coruja queria dormir, mas as abelhas chegaram zumbindo, o esquilo quebrando nozes, os corvos crocitando, e, com tanta barulheira, a Coruja não conseguiu pregar o olho. Com delicadeza e belíssimas ilustrações, Pat Hutchins leva o conto a um desfecho muito engraçado.

- Rocha, Ruth. O menino que aprendeu a ver. Série Vou te contar. Editora Salamandra, 2013.

Um menino estava interessado naqueles desenhos, e a mãe explicou que já estava na hora de ele ir para a escola, pois os desenhos eram, de fato, letras. A cada volta da escola, o menino achava que alguém tinha desenhado novas letras na placa do ônibus, na camiseta do rapaz do bairro, na frente da loja... Ou será que elas sempre estiveram lá, e só agora é que o menino estava descobrindo isso?

  • 1º e 2º ano

- Souza, Flávio de. Que história é essa? São Paulo: Cia das letrinhas, 1995.

Você conhece contos de fadas famosos? Neste livro algumas histórias conhecidas foram escritas de outro jeito. Por isso será preciso descobrir: que história é essa, mesmo? Nessa homenagem aos personagens secundários dos contos de fadas, quem narra a história da Bela Adormecida é um dragão que come salsichas. A história de Chapeuzinho Vermelho é contada pelo caçador. O livro foi construído um pouco à maneira dos jogos eletrônicos: se o leitor entrar na história de Cinderela por uma porta "errada", vai olhar a mesma história pelos olhos do lagarto que se transformou em criado de libré: tudo muda, mas a essência da história permanece inalterada. Ao final de cada conto, há explicações sobre a origem da famosa história, de seu autor e da data em que foi escrita.

- Prieto, Heloisa (org.). Lá vem história. São Paulo: Cia das Letrinhas, 1997.

Em cada página deste livro, uma das histórias que já encantaram na telinha. Macunaíma, Sherazade, o Negrinho do Pastoreio, mágicos pintores da antiga China são alguns dos heróis que levarão as crianças pelo mundo afora. São histórias para conhecer o mundo: valentes samurais no Japão; diabos espertíssimos na Europa Central; no Pólo Norte, ursos que viram estrela; na Austrália, os imensos homens-gatos, monstros muito estranhos. E mais: Macunaíma, Scherazade, o Negrinho do Pastoreio... Heloisa Prieto organizou essas narrativas em blocos. Uma viagem através da imaginação de outros povos, através dos sonhos de crianças que viveram em outras épocas.

  • 3º ano

- Azevedo, Ricardo. No meio da noite escura tem um pé de Maravilha - contos folclóricos de amor e aventura. São Paulo: editora Ática, 2002.

Era uma porção de histórias que o tataravô contava para o bisavô, que contava para o avô, que contava para o pai... que começou a parar de contar. São histórias que falam da existência, espalham brilho e magia em qualquer lugar ou época, e ainda assim estão ameaçadas de se perderem.

Mas antes que desapareçam no meio da noite escura, Ricardo Azevedo, como estudioso do nosso folclore e bom contador de histórias, escolheu algumas das mais belas e escreveu do jeito que todo mundo gosta, como um pai que conta para o filho.

- Prieto, Heloisa (org.). Vive-versa ao contrário, Histórias Clássicas recontadas por vários autores. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1993.

Fausto, Dom Quixote, Sherlock Holmes, Alice, Peter Pan, os gigantes bogatires, o Patinho Feio, Drácula - esses personagens clássicos da literatura mundial aparecem aqui em situações inesperadas, ´manipulados´ por sete escritores brasileiros contemporâneos: Otávio Frias Filho, Nicolau Sevcenko, Moacyr Scliar, Mônica Rodrigues da Costa, Marcelo Coelho, Marcos Rey e Heloisa Prieto. Cada conto atual vem acompanhado de um resumo da história original e de uma pequena biografia de seus autores.

  • 4º e 5º ano

- Salerno, Silvana. Viagem pelo Brasil em 52 Histórias. Cia das Letrinhas, 2006.

Cinquenta e dois mitos e lendas - um para cada semana do ano - contam histórias das cinco regiões do Brasil. Na lateral das páginas, quadros informativos esclarecem e aprofundam assuntos que aparecem nas narrativas. Esta obra reúne lendas e contos populares tradicionais de nosso país. Antropólogos, etnógrafos, pesquisadores e folcloristas serviram de inspiração para essas histórias que recobrem as cinco regiões do Brasil, montando um painel de nossa cultura popular. Cada narrativa é permeada de quadros explicativos ilustrados com fotos e desenhos que, na lateral das páginas, informam sobre a geografia, a botânica, a zoologia, a história, a economia e a cultura do país.

- Platt, Richard. Grandes aventuras: 30 histórias reais de coragem e ousadia. São Paulo, Cia das Letrinhas, 2001.

A vontade de superar os limites levou o homem a explorar os confins da Terra, do mar e do ar - e até mesmo da Lua. Em diversas épocas e paisagens, aventureiros realizaram façanhas, encararam a morte de perto e muitas vezes sucumbiram a ela. Vivos ou mortos, tornaram-se heróis. Grandes aventuras apresenta a história de trinta pessoas que se recusaram a incluir a palavra impossível em seu vocabulário - entre eles, o viking Leif Eriksson (que no ano mil navegou da Groenlândia ao Canadá), os descobridores Cristóvão Colombo e James Cook, o proscrito Alexander Selkirk e a ladra Moll Frith (que inspiraram, respectivamente, os romances Robinson Crusoé e Moll Flanders, de Daniel Defoe), o temível pirata Barba-Negra, o naturalista alemão Alexander von Humboldt, os aviadores Charles Lindbergh e Amelia Earhart e o astronauta Yuri Gagarin. Desenhos, fotos, mapas e quadros com informações de apoio completam a edição.

  • 6º e 7º anos

- SACHAR, Louis. Buracos. São Paulo: Martins Editora, 2010.

Acusado de roubar um precioso par de tênis, Stanley Yelnats é condenado a ir para um reformatório, localizado no leito seco de um lago. Todos os dias, cada um dos internos é obrigado a escavar um imenso buraco na terra dura e seca, sob um sol de rachar. Stanley percebe que na verdade os chefes do reformatório buscam alguma coisa que deve estar enterrada por ali. A resolução desse mistério envolve os garotos e seus antepassados, numa narrativa que prende o leitor do começo ao fim.

  • 8º e 9º anos

- DEFOE, Daniel. Robinson Crusoé. São Paulo: Penguin Companhia, 2012.

Isolado em sua ´Ilha do Desespero´ (ao largo de Venezuela) após um naufrágio, o marujo inglês luta pela sobrevivência valendo-se de todos os meios a seu alcance. Com o tempo e os utensílios recuperados do navio, ele chega a se tornar um competente marceneiro e agricultor, além de pastor de cabras e conhecedor da Bíblia - a única leitura disponível. Sem contato com qualquer ser humano por mais de duas décadas, certo dia Crusoé salva um nativo do assassinato por canibais que haviam aportado numa das praias da ilha, e logo o faz seu criado, dando-lhe o nome de Sexta-Feira. Alguns anos mais tarde, o acaso leva um navio inglês às proximidades da ilha, dando início a um conflito com a tripulação amotinada.

  • Ensino Médio

- CAMUS, Albert. O estrangeiro. Rio de Janeiro: Edições BestBolso, 2010.

Meursault vê sua vida mudar completamente quando mata um homem: é preso, julgado, condenado. Tudo acontece de repente, sem explicação nem consolo para o absurdo de sua vida. Meursault é o estrangeiro, um forasteiro quanto aos ditames da sociedade, personagem criado por Albert Camus para mostrar o que há de mais trágico na condição humana. Um clássico da literatura que, mesmo após setenta anos de sua publicação, consegue manter um caráter atual.

 


 

 

 

Facebook Twitter Linkedin Issuu Youtube