fbpx

Abertura do ano letivo 2018

Professores, coordenadores e direção participam de evento com Rosely Sayão.


Para dar início ao ano letivo de 2018, os professores, coordenadores, diretores e as lideranças administrativas da Lourenço Castanho foram recebidos, no dia 22 de janeiro, em um evento realizado no auditório do Ensino Médio.

O diretor geral, Alexandre Abbatepaulo, iniciou a reunião apresentando os novos colaboradores, o calendário anual e a agenda do encontro. Daniela Coccaro, coordenadora da 3ª série do Ensino Médio, falou sobre o surgimento do Projeto Científico, sua dimensão e importância. “ É um projeto que tem início no final da 1ª série,  e se estende por toda a segunda série do Ensino Médio.”

Também foi apresentada a programação do Núcleo de Inovação e Desenvolvimento Profissional Lourenço Castanho (NIDP) e as mudanças promovidas no período estendido, que acontece na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I.

Sylvia Gouvêa, fundadora da Lourenço Castanho, falou do regimento escolar – documento que contém as normas da Escola, homologadas pela Secretaria de Educação. Os funcionários receberam uma cópia do regimento impresso para que o consultem, sempre que necessário.

Na sequência, Fabiana Zambon, fonoaudióloga especialista em voz, do Sindicato dos professores de São Paulo (SINPRO/SP), conversou com os presentes sobre os cuidados necessários com a voz e sua importância para uma adequada comunicação. Ela deu dicas e tirou dúvidas que surgiram ao longo da palestra.

Finalizando a reunião de abertura, Rosely Sayão, psicóloga e consultora em educação, falou sobre o papel do professor na atualidade. Rosely abordou temas relacionados ao papel social do professor os riscos que ele assume ao escolher essa profissão.  A palestrante também falou da riqueza de conhecimentos que os alunos adquirem ao longo do seu período escolar e que não fazem parte dos planejamentos dos professores (o chamado currículo oculto), mas que existem e são muito importantes. “A parte mais importante do conhecimento é o conhecimento crítico. A gente sempre deve pensar criticamente a respeito daquilo que a gente faz. Temos que parar ver o que fica e aquilo que a gente não precisa”, afirma Rosely.

O professor de Artes, Renato Epstein, comenta sobre palestra: “Achei maravilhosa. Eu esperava exatamente isso, que ela fosse tirar a gente do lugar comum, que gerasse provocação para que isso pudesse gerar reflexão. Para refletirmos sobre as nossas práticas e tentar achar outras soluções. Enfim, se arriscar e assumir os riscos da mudança”.

Para a Diretora Educacional, Karyn Bulbarelli, o objetivo da palestra foi atingido: “Já esperávamos que suas colocações, sempre muito instigantes trouxessem alguns incômodos e tocassem em práticas já muito absorvidas pelas escolas de forma geral. Esperávamos também que a partir disso, suas ideias gerassem debates importantes e nos tirassem do lugar, o que de fato ocorreu.”

No final da palestra, Rosely pediu para que os professores falassem algumas palavras que os marcaram o encontro e que levariam com eles daqui para frente – confiança, coragem, exposição, dúvidas e escolhas.