1° ano se encanta com teatro de sombras

Os alunos assistiram à adaptação da obra “A cortina da babá


Nos dias 26 e 29 de agosto, os alunos do 1° ano visitaram o Espaço Sobrevento para assistir a uma adaptação do conto da escritora inglesa Virginia Woolf com a técnica de luz e sombra.

As crianças foram recebidas pela diretora do Grupo Sobrevento, Sandra Vargas, que contou um pouco de como eram feitos os personagens que atuavam nos primórdios das apresentações dentro do gênero teatro de sombras.

Na entrada do espaço, elas puderam observar alguns bonecos, entre eles, um personagem que possui mais de 150 anos e foi produzido por um artista chinês.

Em seguida, assistiram à peça “A cortina de babá”. A adaptação feita pelo grupo contou com a técnica do teatro de sombras, que fascinou as crianças ao longo do espetáculo. Após o término, os atores da peça, Giuliana Pellegrini e Marcelo Paixão, convidaram as crianças para conhecerem técnicas utilizadas na concepção do espetáculo, por meio de 4 oficinas.

A primeira delas contou com a presença de Agnaldo Silva e Anderson Gangla, manuseadores do grupo. Os alunos puderam produzir suas próprias silhuetas e entenderam a importância das frestas para produzir detalhes.

Sandra apresentou aos alunos as técnicas de movimento com a luz, dessa vez usando o corpo como silhueta projetada na tela. Os alunos experimentaram os efeitos causados pelas luzes através de exercícios propostos pela diretora, aproximando-se ou afastando-se da luz.

“Eu acho essa atividade muito importante para as crianças porque elas têm contato com a forma teatral. O acesso à arte tem como objetivo ampliar a visão delas para o mundo e aqui elas podem ter esse contato de uma forma lúdica”, diz Sandra sobre a visita.

Durante a peça, o ator Marcelo apresentou diversas projeções de animais utilizando apenas as mãos e, na terceira oficina, as crianças puderam aprender com ele essa prática.

A parte mais aguardada pelas crianças foi a oportunidade de manusear as personagens utilizadas em cena. A atriz Giuliana mostrou aos alunos os bonecos, contou a evolução da produção, a mudança de materiais para a elaboração das silhuetas e a importância das articulações para o efeito de movimento.

Maria Soledad Clari, professora do componente de Artes Visuais, conta que “os alunos foram apresentados às técnicas nesse primeiro momento e durante as aulas poderão fazer uma investigação mais profunda sobre os materiais que funcionam para esse tipo de apresentação”.

“A vivência que tivemos hoje, além de estar dentro do nosso cronograma e fazer parte do conteúdo, instiga a imaginação e a curiosidade” complementa Marisol.