Lourenço Castanho recebe Rosely Sayão e a Dra. Ana Maria de Ulhôa Escobar

As pesquisadoras apresentaram a palestra “Nossos adolescentes estão felizes? ”


Na noite do dia 17 de junho, a comunidade de pais da Lourenço Castanho recebeu, no auditório da unidade do Ensino Médio, as pesquisadoras Rosely Sayão e a doutora Ana Maria de Ulhôa Escobar para uma roda de conversa sobre a adolescência.

O principal eixo do bate-papo era debater temas como sexualidade, valores familiares, relações entre pais e filhos, para que os pais compreendessem melhor a fase da vida em que os filhos estão. 

A Diretora Educacional, Karyn Bulbarelli, explica que esse tipo de vivência ajuda os familiares a aprofundar a questão crítica que têm sobre a educação dos adolescentes. “O pais têm muitas dúvidas em relação ao certo e errado, em como instruir seus filhos. A ideia não é que eles saiam da conversa com respostas dadas pelas palestrantes, mas que esse momento proporcione um espaço para a reflexão”.

Para abrir a palestra, tivemos uma banda composta pelos alunos, que permaneceram durante a conversa e expressaram um pouco do que sentem em relação ao que enfrentam. Rosely comentou sobre a presença dos alunos. “A participação deles na abertura e no final, além das questões que levantaram, é fundamental, afinal, não podemos esquecer que nós estamos na escola que eles frequentam, a escola existe para eles”.

Durante o diálogo, os alunos levantaram questões sobre a convivência que têm com outros jovens, expuseram opiniões sobre as relações estabelecidas no meio digital e também sobre a escuta dos pais.

Uma das alunas presentes, Isabella Antoni, da 1° série, falou sobre como foi ter essa nova perspectiva sobre o olhar dos pais: “Eu achei interessante ouvir o posicionamento dos pais a respeito de algumas coisas que não temos muita vivência, porque não temos a visão de mundo que eles têm, mas eu acho natural que nós tenhamos discordado de algumas coisas, mas, para mim, foi uma experiência muito rica”.

As pesquisadoras estabeleceram paralelos entre as influências físicas e psíquicas que determinadas situações exercem sobre os jovens, como o contato com drogas, álcool e a pressão, que aumenta com a chegada dos vestibulares.

Maura Pravadelli, mãe da aluna Mariana Pravadelli, da 2° Série, contou que a roda de conversa foi muito satisfatória. “Foi muito legal ouvir as especialistas juntamente com as dúvidas dos pais.”