Recrio estará no ICLOC

Projeto criado por educadores da Lourenço Castanho será apresentado em Congresso


O projeto Recrio foi desenvolvido com o foco de recriar as atividades do intervalo das aulas. Sua implementação começou porque alguns alunos passavam o tempo do recreio sem brincar. Os espaços não eram bem utilizados por conta de uma atividade predominante: o futebol, que é um comportamento comum na cultura escolar.

Nesse contexto, as crianças que não se interessavam pelo futebol acabavam não desenvolvendo outras atividades na quadra, no horário do intervalo. O Recrio surge como uma forma de inserir novas brincadeiras no repertório das crianças e oferecer novas possibilidades de recreação dentro do espaço.

O coordenador pedagógico Paulo Chagas explica que, para que essa mudança fosse possível, foi necessário um trabalho de formação com os inspetores responsáveis pelo horário do intervalo – para que se reconhecessem como educadores dentro da Escola. “Essa formação tinha como objetivo que eles tomassem o posto de alguém que pudesse dar sugestão, que tivesse uma participação ativa nessa hora e não fosse somente um observador”.

Nenílson Barbosa, o Nilsinho, como é carinhosamente chamado, é um dos educadores do Recrio. Ele ressalva que o projeto lhe trouxe uma nova perspectiva: “O mais importante é que nós agora somos educadores também. As crianças nos olham de outra forma, não só como inspetores”.

Paulo comenta que a transição da cultura existente no recreio não foi fácil, tanto para os alunos que ocupavam a maior parte do espaço quanto para os alunos que não desenvolviam atividades. Porém, com o passar do tempo, o novo estilo foi encaixado na rotina das crianças, e, hoje, a programação de atividades segue de acordo com sugestões dos próprios alunos.

Os resultados implicam a disposição das crianças de experimentarem novas brincadeiras e a integração entre os alunos. O coordenador complementa que até mesmo os conflitos diminuíram: “A coordenação tem atuado muito menos na resolução de conflitos durante o recreio. Uma outra mudança, uma das mais aparentes, foi que as meninas começaram a participar dos esportes na quadra com os meninos. A partir desse engajamento, a Escola incentivou ainda mais o treino de futebol e criou um time de futebol feminino, envolvendo o Fundamental I e o Fundamental II”.

O projeto está inscrito e será apresentado no 11º Congresso ICLOC de Práticas na Sala de Aula que ocorrerá no dia 25 de maio de 2019, na Fundação Álvares Penteado (FECAP), Campus Liberdade, em São Paulo. O evento é uma iniciativa do Instituto Cultural Lourenço Castanho, instituição sem fins lucrativos, criado pelas fundadoras da Lourenço, e que tem como propósito o aprimoramento da educação brasileira. Na edição de 2019, serão apresentadas 1.111 práticas letivas. Trata-se do maior evento do gênero no país.