Visita à Escola Estadual

Turmas do 3º ano realizam atividade do NUPS.


No dia 30 de outubro, os alunos do 3º ano visitaram a Escola Estadual Professora Ludovina Credidio Peixoto, localizada no bairro do Itaim Bibi. Essa visita está relacionada ao “Projeto urbano e rural: paisagem, qualidade de vida e serviços públicos” e ao Núcleo de Projetos Sociais (NUPS).

Segundo Stefano Bigotti, coordenador do NUPS, a atividade vincula-se ao estudo sobre público e privado, e seu objetivo é fazer com que as crianças dos dois espaços conheçam a rotina de seus colegas e o funcionamento das escolas.

No início do ano, os alunos das duas escolas trocaram cartas e, em seguida, marcaram o primeiro encontro que aconteceu na Lourenço Castanho. No dia 30, os alunos da Lourenço Castanho foram conhecer o cotidiano dos colegas na Ludovina.

Ao chegarem, foram recebidos com uma apresentação de dança, realizada pelos alunos do 4º ano. Em seguida, os alunos tinham como objetivo encontrar os colegas com quem trocaram cartas. Como já haviam se conhecido anteriormente, foi fácil encontrar os amigos.

No horário do intervalo, os alunos ficaram livres para brincar e se divertir no pátio. Jogaram basquete, brincaram de amarelinha, pebolim, corda, entre outros.

Alguns alunos também experimentaram a merenda que é servida nas escolas públicas, e a aluna Mikaella Teixeira, do 3º ano F, disse que gostou da comida.

Após o intervalo, as crianças circularam pelas salas que continham diferentes atividades. Havia oficinas de Halloween, sala de jogos e também uma sala para ensinar a fazer dobraduras.

A aluna Manuela Pinotti, do 3º ano C, contou que gostou de conhecer a Ludovina e comentou ter algumas coisas diferentes da Lourenço. “Eu achei legal que tem apresentação de dança”.

O aluno da Ludovina, Felipe Santana, comentou que gostou de receber seus colegas no seu ambiente escolar: “É muito legal receber os alunos da Lourenço aqui, porque a gente se sente um professor ensinando para eles”.

“É uma atividade legal porque aproxima públicos diversos e de rotinas diferentes. Também é gratificante ver a relação dos professores das duas escolas”, afirma Stefano Bigotti.

O projeto continua com os alunos trocando cartas e e-mails.