fbpx

Conhecendo a cidade de Luanda

Fernanda Ghitnic compartilha experiências com alunos do 2º ano.


Na terça-feira, 11 de setembro, a educadora do período estendido da Educação Infantil, Fernanda Ghitnic, visitou os alunos do 2º ano para tirar dúvidas e contar um pouco sobre Luanda, capital de Angola.

O Projeto Integrador do 2º ano, “Brinquedos e Brincadeiras”, tem como objetivo estudar sobre as brincadeiras brasileiras e de outros povos. A atividade realizada com Fernanda aconteceu para que os alunos pudessem tirar dúvidas com alguém que esteve presente e teve contato direto com crianças de Luanda.

Fernanda viajou para Angola, em julho deste ano, com a diretora Márcia Stella e mais duas professoras da Educação Infantil. Elas visitaram escolas públicas e privadas de lá, além de terem feito contações de histórias para os alunos, que disseram que isso nunca havia acontecido com eles antes.

Quando receberam Fernanda em sua Unidade, as turmas dos 2ºs anos perguntaram como eram as escolas de Luanda, quantas crianças tinham por turma, como elas iam até a escola, sobre a comida, entre outras curiosidades. As turmas também quiseram saber se os alunos aprendem brincando e se quem faz os brinquedos são as próprias crianças.

Fernanda também mostrou um vídeo para que os alunos visualizassem o cenário que descreveu de Luanda, a diferença entre escolas públicas e privadas, as comidas e a cidade em si, além de ter compartilhado a história de uma menina que demora sete horas, todos os dias, para chegar à escola.

Quando viajou para Luanda, a professora conheceu uma ONG, chamada Baluarte, que trabalha, em média, com 185 alunos, entre 3 e 18 anos, que não têm acesso à escola pública por morarem em uma comunidade afastada, no bairro de Capolo. Segundo ela, muitas crianças de lá nunca haviam visto livros em sua vida. A partir daí, quando voltou para o Brasil, foi criada uma campanha para arrecadar livros que serão entregues para essa ONG que se transformará em uma biblioteca. Até agora foram arrecadados mais de 500 livros.

Por fim, Fernanda mostrou os uniformes que os alunos de Luanda usam, além de uma boneca de pano que ganhou na viagem para que as turmas conhecessem. Os alunos souberam da diferença educacional que existe e souberam um pouco mais sobre a cultura africana. “Quando aprendemos o que existe fora da nossa realidade, aprendemos a respeitar e a ouvir. Quando sabemos que não somos os únicos e que existem muitos povos com sua cultura e tradições, aprendemos sobre tolerância e sobre o diferente – não é porque é diferente que não é bom. Me senti muito honrada de passar um pouco do que vi na África para o 2º ano, os olhos brilharam e as perguntas continuaram a surgir”, afirma Fernanda Ghitnic sobre experiência.