fbpx

Alunos visitam a Associação Fernanda Bianchini

Em parceria com o NUPS, os alunos dos 1ºs anos foram conhecer o espaço e assistir à apresentação da Cia Ballet de Cegos.


Como parte do Projeto de Série “Crianças em qualquer canto – um olhar para a diversidade”, os alunos dos primeiros anos do Ensino Fundamental I foram até a Associação Fernanda Bianchini para conhecerem um pouco mais da realidade de crianças e jovens que possuem deficiências de diversas naturezas.

A Associação existe há 22 anos e tem como objetivo oferecer danças, expressões corporais e atividades artísticas para pessoas com deficiências. “Além dessas atividades que oferecemos na Associação, também temos como objetivo fazer inclusão nas escolas. Acreditamos que a inclusão verdadeira vem do coração e das boas ações. Só que é difícil uma criança entender o que é inclusão, se ela não se colocar no lugar. Então, a oportunidade que foi dada aos alunos da Lourenço, de conhecer o espaço e tudo o mais, foi muito interessante para eles terem esse contato”, explica a fundadora da Associação, Fernanda Bianchini.

Realizada em parceria com o NUPS (Núcleo de Projetos Sociais), a saída teve como proposta conhecer os espaços de aula e realizar atividades de integração junto aos alunos da Associação.

Reunidos no espaço onde acontecem as aulas de ballet, as turmas ouviram atentamente a Fernanda contar como surgiu o projeto e como funciona o local. Em seguida, os alunos puderam assistir à apresentação do espetáculo “Sonhos” da Cia Ballet de Cegos.

Separados em grupos, as turmas puderam participar de três momentos com atividades, bate-papo e vivência.

Na sala de aula de ballet, os alunos ficaram com o professor da Escola, Renato Farias, que realizou uma atividade de música com sons feitos a partir do corpo. Em outra sala, um grupo bateu um papo com a deficiente visual, Marina Guimarães, que contou um pouco  como é sua vida e as dificuldades que enfrenta. Ela também apresentou seu cão guia e explicou como ele o ajuda no dia a dia. Também conversaram com a bailarina Verônica Batista que mostrou como é a leitura e a escrita dos deficientes visuais. Em outra atividade, os alunos puderam aprender alguns passos de ballet, e aqueles que se sentiram à vontade colocaram vendas e tentaram se colocar no lugar das bailarinas cegas.

Sobre a experiência de receber os alunos na Associação, a bailaria Geisa Pereira diz que é uma experiência muito boa. “Lidar com crianças é muito gostoso e poder mostrar o nosso mundo para elas é muito mais que especial, porque é assim que a gente vai transformar as pessoas verdadeiramente e incluí-las no nosso mundo para poderem entender e ajudar quando houver necessidades”.

Para encerrar a visita, os alunos e professores da Escola e da Associação se reuniram para uma pequena confraternização antes de retornarem à Lourenço.