fbpx

O percurso do rio Tietê

Ensino Fundamental II realiza estudo de campo em Salesópolis.


No dia 15 de agosto, os alunos dos 6ºs anos viajaram para Salesópolis para estudo de campo como parte do projeto integrador de série, cuja pergunta problematizadora é  “Como eu me relaciono com os problemas do mundo?”.

Ao chegarem em Salesópolis, o primeiro lugar que os alunos conheceram foi o Parque das Nascentes do Tietê. Os estudantes aprenderam um pouco mais sobre a história do local e foram monitorados por seus professores, coordenadores e guias durante todo o percurso.

A caminho do Parque, os alunos souberam da Lei dos Mananciais, que tem como objetivo proteger os reservatórios de água da cidade. Por conta dessa lei, não é permitido que a cidade tenha fábricas e indústrias que sejam poluentes nem hospitais, cemitérios, prédios e até mesmo lixões ou aterros sanitários. Em resposta à pergunta “e se uma pessoa ficar muito doente, para qual hospital ela vai?”, o guia local explicou que, antes de essa lei ser aplicada, existia uma Santa Casa na cidade, e, ainda hoje, ela só atende casos simples, como uma gripe. Em casos mais graves, as pessoas devem procurar hospitais das cidades mais próximas.

Ao iniciarem seus estudos de campo, os alunos fizeram a Trilha da Pedra, de 266 metros, para chegarem até a nascente do rio Tietê. Chegando lá, os estudantes se surpreenderam com o tamanho da nascente. Eles acreditavam que enxergariam um rio imenso, porém, a nascente é bem pequena.

Continuando suas investigações relacionadas ao rio, os alunos realizaram registros em seus cadernos de campo e tiraram fotos para compor as atividades. Com auxílio do professor de Ciências Cristiano Guastelli, também coletaram a água da nascente e realizaram a análise do pH da água. Assim, souberam como estava a qualidade da própria nascente. Em Salto e Barra Bonita (próxima viagem dos estudantes), os alunos repetirão a atividade e farão comparações.

Curiosidades também surgiram ao longo da visita à cidade de Salesópolis. Uma aluna perguntou por que o nome da cidade não podia ser relacionado à nascente, e, logo, os guias explicaram que esse nome foi dado para homenagear, na época, o presidente da República, Manuel de Campos Sales.

Ainda, no Parque das Nascentes, foi mostrado aos alunos o mapa e o percurso que o rio Tietê faz. Uma questão muito importante foi destacada: a relação que as pessoas fazem quando pensam que o Rio Tietê é poluído apenas na cidade de São Paulo. O único lugar onde o rio se encontra totalmente limpo é na nascente.

Por último, os alunos conheceram a Usina de Salesópolis, o que também ofereceu mais conhecimento em relação à paisagem observada. As árvores localizadas no parque, como Pinheiros e Eucaliptos, também fazem parte dos estudos dos alunos.

Lígia Pinheiro, professora de Geografia, conta que a ideia do trabalho em Salesópolis é possibilitar que os alunos tenham um olhar na paisagem que vai além do livro didático. “O projeto de série do 6º ano pretende que os alunos possam fazer um reconhecimento de mundo. Eles já enxergam que o Eucalipto tem a ver com a indústria do papel e que está implicado com a questão do rio Tietê. Isso faz com que eles encontrem os problemas do mundo”.

As alunas Marina Ribas, Maria Eduarda Giovanini e Maria Carolina Barros contam sobre a importância de realizar esse estudo de campo em Salesópolis: “Como estamos investigando o passado e o presente do rio Tietê, é importante vermos que é necessário parar de poluir o mundo e os rios. Nós gostamos de conhecer a nascente porque ela é bonita e nos fez refletir mais em relação à poluição e como isso está afetando o mundo”.