fbpx

Projeto Asas para voar

Alunos da Educação Infantil conhecem Borboletário.


Como parte das atividades do projeto “Asas para voar”, os alunos do Infantil 2B visitaram o Borboletário Tropical Conservacionista Laerte Brittes de Oliveira, localizado no Jardim Botânico, cidade de Diadema.

No começo do ano, a professora do Infantil 2B, Bruna Tena, contou algumas histórias aos seus alunos que elegeram como preferida a história da Lagarta Comilona. Com isso, desde o começo do ano, os alunos estão trabalhando esse tema para o projeto de classe.

No primeiro semestre, os alunos pesquisaram e estudaram as características das lagartas e seu processo de desenvolvimento até se tornarem borboletas.

Com a professora, os alunos confeccionaram uma lagarta de brinquedo chamada Duda. Todos os dias, Duda vai para a casa de alguma criança e, no dia seguinte, ela volta junto de um caderno de registros, no qual os alunos relatam suas experiências com a lagarta.

Atualmente, os alunos estão estudando sobre os formatos e as cores das borboletas. A visita ao Borboletário proporcionou aos estudantes uma vivência com o tema que está sendo abordado.

No Jardim Botânico, tiveram a oportunidade de ver tartarugas marinhas e o bicho-pau. Elas realizaram uma trilha e, por fim, conheceram os diversos tipos de borboleta que existem no Borboletário.

Desafiados pelos monitores do Parque, os alunos contaram o que sabiam sobre a transformação das lagartas até se tornarem borboletas. Os pequenos explicaram que elas passam por quatro estágios: primeiro, elas se encontram dentro dos ovos, depois se transformam em lagartas e, quando estão nesse estágio, comem muitas folhas. Em seguida, elas se protegem na pupa que se forma e, por último, tornam-se borboletas.

Para a professora Bruna Tena, é importante que os alunos tenham esse convívio com a natureza, pois assim eles conseguem compreender mais sobre os assuntos que estão sendo vistos na sala de aula: “Trabalhar com o corpo, com as vivências e com as próprias experiências acaba tornando o aprendizado muito mais eficiente”.

Posteriormente, os alunos conversarão sobre o que viram no Borboletário e farão registros relacionados a essa vivência.