fbpx

O Pequeno Príncipe

História é encenada para os alunos do Infantil 5 e faz relação com a fundação da Lourenço Castanho.


No dia 4 de dezembro, as turmas do Infantil 5 assistiram uma peça de teatro, encenada por suas professoras, sobre a história do Pequeno Príncipe. Uma semana depois, no dia 11 de dezembro, os alunos participaram de uma conversa com Sylvinha Gouvêa, uma das fundadoras da Lourenço Castanho,.

Sylvinha viajou em setembro para Paris, e encontrou uma edição diferente do livro “O Pequeno Príncipe”, que é todo ilustrado, com interações e sugestões de atividades.

Agora o livro faz parte da biblioteca da unidade da Educação Infantil. A partir disto, surgiu a ideia de contar aos alunos do Infantil 5 a história do Pequeno Príncipe e da fundação da Escola.

Ao assistirem à peça “O Pequeno Príncipe” as professoras fizeram uma alteração no início da apresentação, destacando que o aviador (um dos personagens principais da história) estudou em uma escola chamada Pequeno Príncipe. Como alguns alunos já sabiam, antes da Escola se chamar Lourenço Castanho, teve como primeiro nome o título do livro.

Ao terminar a peça de teatro, as crianças tiveram uma semana para pensar com as suas professoras em perguntas a serem a serem feitas para Sylvinha, relativas ao livro e à fundação da Lourenço Castanho.

No dia da conversa com a fundadora, os alunos perguntaram se ela sabia há quanto tempo a história do Pequeno Príncipe existe, se havia sido ela que tinha inventado a história do livro, por qual motivo escolheram esse nome para ser da Escola, com quantos anos estão os alunos que fizeram parte da primeira turma da Lourenço Castanho, se na Escola Pequeno Príncipe as crianças eram princesas e príncipes, e se nos uniformes de antigamente haviam príncipes na estampa.

Todas as perguntas foram esclarecidas por Sylvinha, que contou aos alunos que o livro existe desde 1943, e que o nome da Escola surgiu porque ao pesquisar histórias de heróis com seu marido e mais duas amigas, que também são fundadoras da Escola, Marilú e Marília, perceberam que na história do Pequeno Príncipe os personagens se comunicavam por meio da fala, desenho e imaginação, assim como os alunos da primeira turma da Escola, que tinham apenas 3 anos, e hoje em dia estão com 55 anos.

Sylvinha encerrou o debate contando que comprou uma mini edição do livro “O Pequeno Príncipe” para dar aos alunos, porém, só entregará no ano que vem, quando estarão no 1º ano do Ensino Fundamental, ano em que começarão a alfabetização.

Segundo Giuliana Farah, professora do Infantil 5, que fez a apresentação do teatro, diz que é importante mostrar aos alunos essa história, porque fala muito de valores e da relação com o outro: “Nós achamos muito interessante passar para as crianças, em uma linguagem mais adequada, para que elas entendam a amizade, simplicidade e coisas assim. ”

Sylvinha declara: “É muito importante nós sabermos onde estamos. Nós adultos, por exemplo, precisamos conhecer o nosso país. Por isso, começar com as crianças na Educação Infantil é bárbaro, para que elas conheçam o local que vivem. ”